“Eu te constituí como luz das nações para levares a salvação até os confins da terra” (At 13,47)
“Eu te constituí como luz das nações para levares a salvação até os confins da terra” (At 13,47)
Artigos

Espiritualidade e ecologia

Publicado em 7 de julho de 2020 - 10:52:48

Nos últimos tempos, sobretudo depois da Carta Encíclica Laudato si’, promulgada pelo Papa Francisco, em 2015, tem-se falado muito da relação entre espiritualidade e ecologia, relação esta que muitas vezes não deixa de causar dificuldades em muitos cristãos, pelo fato de termos assumido o hábito de pensar, desde o início da Modernidade, que espiritualidade é uma coisa predominantemente pertencente a nossa subjetividade e ao nosso sentimento. Assim, costumamos considerar espiritual somente as coisas que pertencem exclusivamente ao culto religioso, de modo que as coisas que não estão relacionadas diretamente com o culto (como o mundo do trabalho, as questões sociais e ecológicas, dentre outras) são difíceis de serem acolhidas na nossa vida espiritual.

Todavia, a espiritualidade bíblica é uma espiritualidade que abarca o ser humano na globalidade do seu ser, pois considera a pessoa humana, que foi feita à imagem de Deus, um ser de relação: relação com Deus, relação com o outro e relação com as coisas criadas. Aquilo que caracterizava a vida no Paraíso era o bom relacionamento que tínhamos com Deus, com o próximo e com a criação em geral. De fato, ao nos criar, Deus escolheu um Jardim para que fosse nossa casa e, dentro desse jardim, nos deu uma função: de cuidar, de ser jardineiro do Éden, criando-nos em íntima relação com o ambiente em que vivemos, como sugere a narração da criação: No dia em que o Senhor Deus fez a terra e o céu, ainda não havia na terra nenhum arbusto do campo. Nenhuma erva do campo havia brotado, pois o Senhor Deus não tinha feito chover sobre a terra e não havia ser humano que cultivasse o solo e fizesse subir da terra a água para irrigar o solo (Gn 2,4b-7).

A narração da criação de Gn 2, completando aquela que se encontra em Gn 1, apresenta, portanto, a razão da vida humana em profunda relação com a vida da Terra, como se dissesse que Terra foi feita para o homem e o homem foi feito para a terra. Sendo, portanto, no cuidado para com a terra que homem encontra o sentido dos seus dias. Essa narração, feita pelos teólogos javistas, expressa entre o homem e a terra uma relação de comunhão.

A relação de comunhão do homem com a Terra, seu ambiente, é caracterizada pela dinâmica da reciprocidade, onde a Terra fornece ao homem as condições necessárias para sua vida e o homem cuida da terra para que essas condições sejam permanentemente possíveis. Sem esse cuidado as condições de vida na terra perdem em qualidade.

Quando cria e abençoa o ser humano, Deus também define a sua função na Terra: Sejam fecundos, multipliquem-se, encham a terra e a submetam. Dominem sobre os peixes de mar, as aves do céu e todos os seres que rastejam sobre a terra (Gn 1,28). De acordo com a terminologia bíblica, esse submeter e dominar estão relacionados com a maneira como Deus pastoreia e querem dizer que o ser humano é colocado em relação ao restante da criação como pastor. Ele é pastor da Criação e, como pastor, sua essência é cuidar. Quando cuida o homem ama e quando ama ele cuida. Aqui está o sentido bíblico de uma espiritualidade ecológica.

Pe. Antonio César Maciel Mota
Pároco da Paróquia São João Batista em Rio Claro
Docente do Curso Diocesano de Teologia
 

Horário de Funcionamento

Cúria Diocesana

Segunda a Sexta das 8h às 11h30 e das 13h às 17h.

Assessoria de Comunicação

Segunda a Sexta das 13h30 às 17h30 Diocese de Piracicaba

Diocese de Piracicaba

Av. Independência, 1146 – Bairro Higienópolis - Cep: 13.419-155 – Piracicaba-SP - Fone: 19 2106-7575
Desenvolvido por index soluções