“Eu te constituí como luz das nações para levares a salvação até os confins da terra” (At 13,47)
“Eu te constituí como luz das nações para levares a salvação até os confins da terra” (At 13,47)
Artigos

Gostaria de saber qual é o posicionamento da Igreja sobre os medicamentos feitos com células tronco?

Publicado em 9 de abril de 2020 - 17:09:16

Gostaria de saber qual é o posicionamento da Igreja sobre os medicamentos feitos com células tronco?
(Anice Maria Margoni Teixeira, 49 anos – Paróquia Santo Antônio – Sé Catedral)


Um primeiro ponto a se destacar é que o debate ético sobre o uso de células-tronco tem sido muito questionado, pois não está claro a origem do estudo, se é de células tronco adultas ou embrionárias.

O ponto de vista católico prestigia a dignidade da vida humana, salientando a continuidade da informação vital que existe desde a fecundação até a pessoa humana plenamente desenvolvida, o que impede qualquer tipo de utilização de pesquisas com células tronco embrionárias.

Devido à manipulação de embriões humanos, tais pesquisas implicam as velhas controvérsias que cercam os fetos e o direito à vida.

A Igreja Católica, em declaração emitida pela Pontifícia Academia para a Vida, em agosto de 2000, posicionou-se contra a produção de células-tronco embrionárias, sua aquisição ou a manipulação dessas células através da técnica de transferência nuclear para produção de tecidos compatíveis com o doador, a chamada clonagem terapêutica.

Toda utilização de células tronco embrionárias estaria lesionando um "indivíduo humano" com direito à vida desde a concepção. A finalidade boa não justifica uma ação ruim, por isso, a Igreja aponta a alternativa do uso das células-tronco adultas contidas na medula óssea, no cérebro, e no sangue do cordão umbilical.

Quanto ao aspecto legal, no Brasil na Lei de Biossegurança Brasileira (Lei nº 11.105, de 24.03.2005), um dos pontos mais polêmicos é o da permissão, dentro de certas condições, da utilização de células-tronco embrionárias para pesquisas, objetivando a cura de doenças graves para as quais a suposta terapia seria a única ou a última esperança. É importante entendermos que estamos falando de células-tronco de origem embrionária e para tal pesquisa seria necessário a supressão, a destruição dos embriões.

Com a aprovação da Lei de Biossegurança no Brasil, fica permitido o uso para pesquisa e terapia de células-tronco obtidas de embriões humanos de até cinco dias que sejam sobras do processo de fertilização in vitro, desde que sejam inviáveis para implantação e/ou estejam congelados há pelo menos três anos, sempre com o consentimento dos genitores. Fica proibido realizar Engenharia Genética em óvulo, espermatozoides e embriões humanos; usar técnicas de clonagem para produzir embriões humanos, seja para obter células-tronco (clonagem terapêutica) ou para produzir um bebê (clonagem reprodutiva).

Diante disto, podemos afirmar que quando tivermos a segurança de que o medicamento a ser usado é exclusivamente fruto de pesquisas com células tronco adultas, não incorremos em nenhuma censura moral.

Pe. Adalton Roberto Demarchi
Mestre em Teologia Moral pela Faculdade Alfonsiana de Roma

e especialista em Bioética pela Faculdade Reggina Apostolorum de Roma 

Horário de Funcionamento

Cúria Diocesana

Segunda a Sexta das 8h às 11h30 e das 13h às 17h.

Assessoria de Comunicação

Segunda a Sexta das 13h30 às 17h30 Diocese de Piracicaba

Diocese de Piracicaba

Av. Independência, 1146 – Bairro Higienópolis - Cep: 13.419-155 – Piracicaba-SP - Fone: 19 2106-7575
Desenvolvido por index soluções