“Ide pelo mundo inteiro e anunciai o Evangelho a toda criatura” Mc 16,15

Testemunho da ressurreição

Dom Paulo Mendes Peixoto 03/04/2018  |  17:34:04

Aquilo que falamos e acreditamos sobre a ressurreição de Jesus Cristo é um fato que depende de fé. A Páscoa é revitalizada com o testemunho, os gestos e o serviço dos cristãos, do seu sentir como Igreja, e sua proximidade com os demais, na construção de um mundo melhor. Verdadeiramente, a Páscoa é ação dinâmica em favor de uma vida ressuscitada e comprometida com a comunidade cristã.

No livro dos Atos dos Apóstolos encontramos comunidades unidas e comprometidas por acreditar nos ensinamentos de Jesus. Conseguiram compreender a dimensão da vida cristã e as implicações que isso causa na convivência fraterna. Inclusive partilhavam seus bens para que ninguém passasse necessidade. Isso significa que a partilha eleva a vida das pessoas e as tornam responsáveis por tudo.

Hoje temos inúmeras comunidades carentes, periféricas, às vezes desorganizadas, sem saneamento básico e sem assistência do poder público. O lixo fica pelas ruas e são totalmente desprovidas das condições de sobrevivência digna. Necessitam de um processo de ressurreição, de políticas públicas para mudar sua realidade e transformá-la num espaço de convivência fraterna.

A experiência de vida no Cristo ressuscitado provoca a partilha, porque as pessoas se sentem como verdadeiros irmãos e irmãs, corresponsáveis na vida comunitária. No encontro pessoal com Jesus Cristo ressuscitado e vivo, a pessoa reacende e irradia a força da ressurreição em sua vida e faz o processo da partilha com as outras pessoas que fazem parte do seu convívio.

O apóstolo Tomé, um dos doze, estava fora da comunidade dos discípulos quando Jesus lhes apareceu. Ele teve dificuldade para acreditar que Jesus tinha ressuscitado. O mesmo acontece com quem se isola, se fecha em seu próprio mundo, no individualismo e distante da vida comunitária. Para acreditar teve que tocar nas chagas de Jesus, mas isso aconteceu no contexto da comunidade reunida.

A fé vinda do batismo cria vínculo entre os cristãos, vínculo de fraternidade e de vida comunitária, porque ela faz circular o amor entre todos os que dizem amar a Deus. Viver a Páscoa é ser capaz de promover a vida dos irmãos, porque a centralidade de sua ação está fundamentada na ressurreição de Jesus Cristo. A morte foi superada pela prática dos compromissos e ações da vida cristã.

Dom Paulo Mendes Peixoto
Arcebispo de Uberaba
 

Onde estamos

Av. Independência, 1146 – Bairro Higienópolis
Cep: 13.419-155 – Piracicaba-SP
Fone: 19 2106-7575
Falar Conosco

Horários de Funcionamento

Cúria Diocesana

Segunda à Sexta das 08h às 11:30 e das 13h às 17h.

Assessoria de Comunicação

Segunda à Sexta das 13:30 às 17:30

Diocese de Piracicaba